sexta-feira, novembro 20, 2009

Romance epistolar. Carta 19 ou 20.




Estou em barcelona, um bocado perdida. Aos soluços. Numa tasca. Bebo vinho. Sem articulação. As ruas ligam-se. E desligam-se. Sem sentido. A um ritmo incessante. Dentro dos passos. Dos músculos. Esticados ao fim do dia. Distendidos nas distâncias. Entrecortadas por rumos distintos. Porque alteram a direcção de uma mesma pessoa em todo um só dia. Pessoa-ave que persegue um rasto de milho-intuitivo. E vinho tinto, também. Esquinas imediatas. Atravessam-se no caminho do amarelo ao 'rojo'. Sem fronteiras. Sem timidez. Sem meios-tons. Identifico as ruas por onde ando. Mas estão noutros lugares. Até que acho o último grão de milho. No fim da linha da hora. (No lo hay perdido pero estoy un pouco bruta.)
Estou numa taverna, numa calle qualquer en Raval. Bebo vino. Ay una chica sola defronte. Procuro cumplicidade.
As tavernas e o vinho tinto fazem-me pensar em ti. São as casas so jogo que mais procuro. As coisas simples e tingidas de vida fazem-me sempre lembrar-te. Penso que tu vais acordar-me por inteiro. Pero no lo he perdido.
Às vezes desconfio até dos amendoins que me esperam imóveis dentro de um pires branco. Se calhar é do branco que os contrasta. Todas as cores que principiam uma morte latente. Cabrona, sempre latente. Mesmo rompendo as montanhas de núvens. São brancas. Belas porque contrastam o azul profundo em formas almofadadas.
Ahora estoy tranquilla.
A moça beijou-o, o bruto. E ficou com o bico arregalado. Ela quer inspirar-me de longe. Paredes brancas com texturas niveladas por vinho rojo. É uma taverna em que me faz falta o teu silêncio, o ardor da foqueira, os teus olhos no meio das dunas reservadas numa negligência salutar. O mar e o sonho. Mas esse pressegue-me. Aos soluços. Abro as narinas para deixar correr o fumo negro. Abrirei ainda mais para folgar em ver-te. E os teus beijos. Amor e temperamento.
(Foto de Andreia Lira)

2 comentários:

papadessy disse...

Bela diário.

Poeta Disléxico disse...

Ao ler esta passagem, fico convencido que Ernest Hemingway (onde quer que ele esteja depois do suicídio) por vezes utiliza-te para dar largas à sua homossexualidade incógnita.